Play Store: Google deleta mais de 700 mil apps por violar políticas

Na última quinta-feira (22), o Google anunciou que teria removido 709 mil aplicativos da loja Google Play em 2020, devido à violação de políticas. Durante o período, a empresa teria excluído ainda aproximadamente 119 mil contas de desenvolvedores mal-intencionados ou que praticavam spam.

Ainda segundo o levantamento da própria gigante de buscas, mais de 962 mil apps foram impedidos de entrar na loja oficial para o sistema operacional Android, uma vez que estavam em desacordo com as regras da plataforma. Eles teriam sido identificados por modelos de aprendizado de máquina.

O Google reforça que trouxe novas políticas para melhorar os sistemas avançados na otimização de processos no ano passado, a fim de proteger os usuários, dar suporte a bons desenvolvedores e destacar proteções contra aplicativos e criadores mal-intencionados.

A gigante de Mountain View ainda acrescenta que a Google Play Protect teria escaneado mais de 100 bilhões de aplicações para detectar algum malware e aumentar a segurança das pessoas na loja para Android. O foco da companhia foi em especial na procura das ferramentas que fossem úteis e confiáveis para finalidades como informações sobre vacina da Covid-19 ou novas formas de entretenimento, delivery e comunicação.

Os desenvolvedores tiveram o acesso a permissões sensíveis reduzido, assim como houve uma nova política de localização em segundo plano, para garantir que os apps justifiquem melhor o uso dos dados ao usuário quando for solicitar essa permissão.

Assim, os desenvolvedores precisam informar os benefícios de forma mais objetiva, ou terão seus apps removidos da Google Play. A regra vale para aqueles que não atendem às novas diretrizes, mas a empresa completa que uma atualização sobre o uso da permissão será divulgada em breve.

E aí, você chegou a perceber a redução de ferramentas suspeitas da Google Play depois das mudanças na norma no ano passado? Participe conosco!

Via: Tudo Celular